Durante um bom período tenho buscado produzir mais com menos recurso. Recurso esse que não poderia ser outro: Tempo. Na minha opinião, podemos atribuir muito mais valor a ele do que ao dinheiro em si. 

Na minha roda de amigos, por exemplo, é possível notar uma certa falta de relação com o tema durante as conversas, porém numa perspectiva diferenciada: Em virtude das dúvidas com relação a situação financeira, eles nunca sabem o que pretendem fazer ou se caberá no orçamento.

O ponto em questão é que “não saber” remete a falta de processo, rotina e gestão. Precisamos saber e fazer várias coisas nas nossas vidas. Precisamos saber e fazer rápido. Temos uma relação intrínseca com o tempo, a sua falta e os reflexos na nossa qualidade de vida. Com o seu dinheiro não é diferente, ou é?

Há exatos 10 anos, criei o hábito de processar uma rotina de gestão em relação as minhas finanças. Como administrador, uma frase sempre ecoou nos meus ouvidos desde o primeiro período da faculdade:

“Tudo que pode ser medido, pode ser melhorado” Peter Drucker

Por isso comecei a medir e agora vou compartilhar com vocês como faço para me preocupar tão pouco tempo com as minhas finanças, de uma forma simples e eficaz. 2 dicas, são elas:

1. Simplifique. Coloque uma meta de saldo.

Só isto basta. É isso que você quer no final de tudo! Combine com você uma meta de saldo para o ano, no mínimo de 10% ok? Não interessa se você sabe que gastou 1,84% das suas despesas em meias de presente para a família. A matemática tá rindo de você agora com essa se estiver preocupado com o próximo boleto da Net.

Muitas pessoas tem APPS, planilhas super ultra mega dinâmicas e elaboradas que no final podem até ser muito eficientes, mas possuem baixa eficácia. Queremos resultados e não processos. Urge uma necessidade de entregarmos mais, somos carentes por menos botões.

Coloque poucas descrições, agrupe o que puder. Exemplo: Tenho 2 descrições de Receita (Johnson&Johnson e Consultorias), 4 descrições de Despesa (Cartão de Crédito, Débito, Saque e Outros) e 1 de investimento (Corretora). 

2. Planeje suas finanças, não controle.

Você controla ou planeja suas finanças? A grande diferença é que quem controla tem tudo anotado (entradas e saídas) até hoje e quem planeja tem tudo anotado até o infinito.

Quando você controla não existe perspectiva de poder investir ou gastar para frente em visão de fluxo de caixa mensal e acumulado anual.  Quando construímos algo a longo prazo, temos pelo menos um túnel para nos apresentar uma luz ao final dele. Sem o túnel, você nunca verá a luz. Esse túnel se chama planejamento.

“Ok. Já entendi. Mas de que forma eu faço isso?” – Planilha.

“Pode disponibilizar para gente?” – Sim! Aqui está o link pra download. Assine também a newsletter do site pra obter conteúdo exclusivo. 

Depois me conta se você viu alguma luz no fim do túnel, ok?

Fui!

Participe! Deixe seu comentário e amplie a discussão.